Resenha do Samba

E a magia da sorte chegou

A relação entre o sorteio da ordem dos desfiles e o resultado do carnaval Compartilhe

Continuar Lendo »

Ode ao orgulho dos profissionais do Carnaval

“Eu sou vaidosa Eu sou assim Vaidade não tem preço Mas eu tenho seu apreço Pois você gosta de mim” Portela, 1991. Eu amo esse samba da Portela. Mas estava aqui pensando com os meus botões… quem tem um ofício dentro do Carnaval – ou até mesmo fora dele – não pode ter apenas vaidade pelo que faz, mas também ...

Continuar Lendo »

Com amor, Zé Katimba

Homenageado da 13ª edição do Prêmio Plumas e Paetês levou todos às lágrimas Na pequena Guarabira, no brejo da Paraíba, nasceu José Inácio dos Santos, mais conhecido como Zé Katimba. E no último sábado, dia de 01 de julho de 2017, no Teatro Carlos Gomes, nasceu minha mais profunda admiração por esse homem – que eu já respeitava pela obra. ...

Continuar Lendo »

Para muito além da estatueta

Criador do Prêmio Plumas e Paetês, José Antônio acredita que premiação ajuda a mudar vidas Compartilhe

Continuar Lendo »

A importância de SORRIR para a memória

Selminha Sorriso e o Cultural do Estácio   “O que é memória? É a imagem viva de tempos passados ou presentes. Os bens, que constituem os elementos formadores do patrimônio, são ícones repositórios da memória, permitindo que o passado interaja com o presente, transmitindo conhecimento e formando a identidade de um povo.”   Patrimônio histórico: como e por que preservar ...

Continuar Lendo »

Jorge Silveira fala sobre o enredo de 2018: “É o Carnaval da minha vida”

São Clemente levará para a Avenida os 200 anos da Escola de Belas Artes Compartilhe

Continuar Lendo »

Os dois lados (errados) da queda de braço de uma crise anunciada

Disputa entre prefeito e Escolas de Samba põe o Carnaval em risco Compartilhe

Continuar Lendo »

Caymmi tinha razão

Valéria del Cueto Compartilhe

Continuar Lendo »

Esse Lugar…

Baródromo Compartilhe

Continuar Lendo »

Carnavalizar é fundamental!

Terminado o Carnaval, eis que nos encontramos com os seus melancólicos despojos: pelas ruas desertas, os pavilhões, arquibancadas e passarelas são uns tristes esqueletos de madeira; oscilam no ar farrapos de ornamentos sem sentido, magros, amarelos e encarnados, batidos pelo vento, enrodilhados em suas cordas; torres coloridas, como desmesurados brinquedos, sustentam-se de pé, intrusas, anômalas, entre as árvores e os ...

Continuar Lendo »